Tag Archives: Carmem Miranda

Nova seção: Música antes, música depois

17 maio

Hoje, enquanto estava no ônibus a caminho do trabalho, tive uma idéia muito bacana para me motivar a continuar a escrever no Blog e torná-lo mais interessante. Na verdade, ela não novidade e, como sempre e quase tudo em minha vida, converge para o que vi na TV – sim, pessoal, era um programa de TV.

Música antes, música depois abordará sempre uma canção sob o prisma de dois intérpretes: O primeiro e o último que gravou a música. Claro que haverá diversas falhas, mesmo porque não sou estudioso de história da música. Logo, eu poderei colocar uma gravação antiga, que pode não ser a primeira ou, ainda, uma gravação nova que poderá não ser tão conhecida por muitos. Além disso, meu objetivo não é fazer juízo do tipo “àquela é boa, esta outra não presta”, mas apenas mostrar o contraste de arranjo e voz, além de contar resumidamente a história daquela música.

Eu particularmente conheci muita coisa assim: escuto a gravação atual e corro para procurar o “original”.

 

Música: Balancê

Composição: Braguinha e Alberto Ribeiro

Balancê foi gravada por Carmem Miranda, pela primeira vez, em 1936. Todavia, a música foi eternizada pela voz de Gal Costa em regravação no LP “Gal Tropical”, de 1979. É uma típica marchinha de carnaval.

 

<<<Antes: Carmem Miranda, 1936

 

>>>Depois: Gal Costa, 1979.

Anúncios

Alô… Alô?: 100 Anos de Carmen Miranda

4 maio

Nesse final de semana teve muita coisa boa. E fechou da melhor forma no sábado, já que no domingo eu não fiz absolutamente nada!

Fui ao primeiro dos quatro shows em comemoração ao centenário de Carmem Miranda, no CCBB. Pensei que conhecia boa parte da obra dela, mas nada passou de um puro devaneio, e me juntei a toda a platéia que não acompanhava boa parte das músicas. Isso porque a maioria de nós achamos de Carmem Miranda se resume a marchinha de carnaval. Pelo contrário, é uma das precurssoras do samba no país.

O projeto “Alô… Alô?: 100 Anos de Carmen Miranda” acertou em cheio ao escolher Roberta Sá, minha preferida. Apresentação impecável (tirando a cuspida que ela levou do Pedro Luís), principalmente porque contou com Ruy Castro, que mostrava um pouco da vida da pequena notável entre uma música e outra. Palmas também para o ônibus do CCBB que não não atrasa nunca e ao espetáculo que começou no horário (em geral, não atrasa mesmo). Terça-feira a bilheteria começa a vender os ingressos para o segundo show da série. 😀