Da série “sou feliz porque trabalho com informática”.

2 mar

Hoje, ao abrir o sistema que gerencia os chamados abertos pelos usuários, me deparo com a seguinte descrição do problema:

Por favor venha ver se voce arruma meu e-mail, já reiniciei e não adiantou.
*Motivo do Acionamento: Problema de Infraestrutura na Rede Local

Tem como não amar as pessoas diante de tanta educação? Até pensei que o chamado fosse da Hebe.

Gracinha!

Severamente Dilma

10 fev

A Piauí desse mês publicou um diário falso, mas muito engraçado, de como teria sido o mês de janeiro da presidenta Dilma. Um pequeno trecho para vocês sentirem o tom cômico do negócio:

3 de janeiro – 9h

Primeira reunião com os ministros. Antes de tocar nos assuntos estratégicos, deixarei claras as regras aqui: todos devem chegar pontualmente e desligar os celulares. Não admitirei conversas paralelas. Quem quiser ir ao banheiro, basta levantar a mão e pedir permissão. Não é permitido chiclete.

———————-

O site ainda não abriu essa matéria 😦

Passado, presente e futuro da comunicação

27 jan

O Link, do Estadão, publicou um infográfico feito pelo Philip Sheldrake que resume bem o desenvolvimento da comunicação desde o tempo das cavernas até 2011. Coloque seu inglês em prática!

 

https://i1.wp.com/blogs.estadao.com.br/link/files/2011/01/Content-an-illustrated-history-500.jpg

Fonte: http://www.philipsheldrake.com/2011/01/content-an-illustrated-history/

Suporte técnico em informática: compreensão acima de tudo.

24 jan

Querido leitor,

Você tem uma multifuncional que lhe oferece duas formas de tirar cópias: a primeira, é abrir a tampa, colocar o documento no vidro e apertar o botão. A outra, é colocá-lo em um orifício, que puxará o documento para dentro da impressora. Presume-se que algum mecanismo de rolos fará o mágico trabalho na segunda opção.

Diante do exposto, qual seria a melhor atitude quando se trata de uma certidão de nascimento com marcas de dobras e coloração amarelada?

O “usuário” que solicitou o suporte escolheu a segunda alternativa. E eu vivenciei por meia hora uma espécie de parto, quando a dilatação não é suficiente.

Muito amor nesse meu trabalho, minha gente.https://i2.wp.com/www.essex1.com/people/chuckbri/dilbert1993043090804.gif

Postagem sem motivo

24 jan

A mão do amor
(Roque Ferreira)

Eu queria que a mão do amor
Um dia trançasse
Os fios do nosso destino
Bordadeira fazendo tricô
Em cada ponto que desse
Amarrase a dor
Como quem faz um crochê
uma renda um filó
Unisse as pontas do nosso querer
E desse um nó

Facebook vale tudo isso?

17 jan

Hoje o Link, caderno de informática do Estadão, publicou uma matéria sobre o drama do My Space. O site enfrenta sua pior crise, que passa por demissões e perda em massa de usuários e, ainda, sofre para conseguir quem o compre. Não vale mais o que pagaram por ele.

Isso me faz pensar novamente no frenesi diante do Facebook. Não poderia este ter o mesmo fim do My Space? Eu particularmente não acredito que o “livro de caras” valha 50 bilhões de dólares. Dizem que esse preço absurdo baseia-se no potencial que o serviço tem para gerar dinheiro. Bem, diziam que o My Space tinha esse potencial todo. Não conseguiu.

Um trecho da matéria resume o que penso: uma especulação sem fim.

————————————————-

“O declínio do MySpace é mais um exemplo da fragilidade desse tipo desse tipo de serviço, que vai da sensação ao sumiço em um instante. Segundo a comScore, o site tinha 54,4 milhões de usuários no final de novembro, depois de perder mais de 9 milhões deles em relação a 2009. “O MySpace era uma grande festa, mas a festa mudou de lugar”, disse Michael J. Wolf, ex-presidente da MTV Networks da Viacom. Em termos gerais, o declínio do MySpace lembra o infeliz pacto concluído pela AOL com a Time Warner: uma empresa de internet de grandes ambições, vítima de um choque de culturas, precipitado pela fusão num grande conglomerado de mídia. Surgiu então um concorrente com uma tecnologia melhor”.

Fonte: http://blogs.estadao.com.br/link/myspace-ladeira-abaixo/

2011, Dilma e as lâminas de barbear

4 jan

O ano novo começou com cara de 2010. Sim, porque eu passei a virada com a garganta inflamada e à base de antibiótico para continuar vivo. Mas isso não me impediu de ir a posse da primeira presidenta brasileira. Foi muito bacana poder participar desse fato hístórico, mesmo que isso tenha rendido uma batida de carro e pés sujos de lama (desculpe novamente, Digo).

E as lâminas de barbear? Elas me irritam. São caras e a política de venda é uma safadeza só. Em uma caixa cuja capacidade é de quatro, eles colocam apenas duas. E te cobram R$ 15,00 por isso.  Para mim, não há sensação pior do que comprar algo caro que você sabe que não custa tudo aquilo para ser fabricado.